Guiadas pelos espíritos



O artigo “Esta é nossa herança espiritual” em A Sentinela de 15 de fevereiro de 2013 faz uma declaração interessante de notar em seu parágrafo 6 e 7:

A nossa herança espiritual inclui uma riqueza de informações exatas e valiosas do passado … Em parte, nossa herança espiritual consiste em relatos publicados mais recentemente, provando que ‘Jeová está do nosso lado’.”


Claro, neste parágrafo em parte referia-se a Bíblia Sagrada contendo informações exatas e valiosas do passado, mas, da outra parte de sua herança espiritual, o que dizer das publicações da Torre de Vigia? Têm elas informações exatas e valiosas de seu próprio passado? Que informações tão exatas e valiosas quanto um tanto reveladoras elas podem nos fornecer sobre realmente Jeová estar ao lado destas testemunhas?


Onde se origina esta “herança espiritual” ?

Pegaria um doce do lixo?
É tão importante saber sobre as origens de nossa herança? Certamente que sim! Toda testemunha de Jeová e pessoas sensatas pesquisariam com apreço as origens históricas de sua herança espiritual. No capítulo 16 do livro O Que a Bíblia Realmente Ensina, na pagina 159, diz: “Será que as origens realmente importam? Sim! Para ilustrar: suponhamos que você visse um doce no lixo. Será que o pegaria para comer? Naturalmente que não, pois ele estaria sujo, ou impuro.” (2014, § 12 )

As crenças atuais das testemunhas de Jeová, sua “herança espiritual”, foram recebidas dos ensinos em períodos anteriores, durante as presidências de Charles Taze Russel, e seu sucessor Joseph Franklin Rutherford, porém, elas não têm acesso a toda esta herança por muitos motivos. Um destes motivos é que elas se encontram em publicações antigas, e além do inglês estão disponível em poucas línguas para consulta. Aqui no Brasil por exemplo, o movimento dos Estudantes Internacionais da Bíblia (como eram conhecidas as testemunhas de Jeová) chegou tardiamente em 1923 com a abertura de uma congênere de sua entidade jurídica* , por isto, muitas publicações correntes de uso dos adeptos da época nunca chegaram a ser traduzidas e impressas para o português brasileiro.

Um fato interessante, do qual muitas testemunhas não se apercebem, é que existem detalhes importantes de notar nesta herança. Justamente nas primeiras presidências da Torre de Vigia foram introduzidas várias doutrinas que com refinamentos ao longo das décadas vigoram até hoje, como: os eventos de 1914, a identificação da Grande Multidão e com isto a definição de dois grupos de cristãos com esperanças distintas, sendo que a Grande Multidão não tem parte efetiva no “Novo Pacto” e no “Pacto para governar num reino” pois, isto está apenas para os “cristãos ungidos” e todas os outros fatores espirituais que decorrem destes entendimentos, e o próprio nome que adotariam oficialmente em 1932 para identificar o movimento, isto é, testemunhas de Jeová.


Uma obscura “herança espiritual”

O detalhe crucial nesta questão de formulação de doutrinas nestas duas primeiras presidências, e desconhecido de muitas testemunhas, é o fato de que, principalmente na presidência de Rutherford foi ensinado que não se cria que a organização era dirigida pelo espírito santo desde o retorno invisível de Cristo em 1874**, e isto tem impacto direto e negativo nas doutrinas introduzidas nestes períodos. No parágrafo 31 do extenso artigo “Espírito Santo” em A Sentinela de 1º de setembro de 1930 (em inglês), na página 264, conclui:

Resume-se brevemente, então, e estes são os pontos que aqui foram abordados, a saber: que o espírito santo de Deus foi enviado como o ajudante, consolador e defensor que cuidava dos assuntos da igreja, na ausência de Cristo Jesus; que tal ajudante ou advogado tinha sido o meio de comunicação entre o Senhor e aqueles que responderam à chamada e como meios de revelação e instrução e entendimento como foram durante a ausência de Cristo Jesus. (Efé. 1: 13; 4: 30; 1 Tes. 4: 8); que quando o Senhor veio ao seu templo para exame e julgamento de todos aqueles que responderam à chamada devem ser os primeiros que são trazidos ao juízo, e aqueles que são escolhidos e trazidos para o templo não têm mais necessidade da administração do espírito santo como um ajudante ou advogado, porque o próprio Cristo Jesus está presente com eles e é seu advogado e ajudante; e que, quando a classe [que está no] templo estiver completa, e a separação está completa e todos reunidos em Cristo, seja do outro lado ou deste lado do véu, então a operação do espírito santo como um ajudante cessaria.” ***


Sim, ensinou-se por muitos anos em A Sentinela que quando Cristo veio em 1874 (como se acreditava na época) o espírito santo havia completado a sua função na terra, e isto inclui que ele fosse exonerado de fazer aquilo que Jesus indicou que faria para sempre: “E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro ajudador para estar com vocês para sempre (…) o espírito santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinará todas as coisas a vocês e os fará lembrar de todas as coisas que eu lhes disse.” (João 14:16, 26) Então quem Jesus, estando presente desde 1874, enviaria um pouco mais tarde para fornecer instruções para sua “Classe Templo”, como era conhecida a “Classe dos Ungidos”? Segue uma série de citações das publicações correntes da época e que elucidam o assunto:

Os gerados pelo espírito são representados como "os filhos de Levi", que devem ser purificados na vinda do Senhor ao seu templo (Mal. 3: 3) Ele se senta para esse fim. Os purificadas, por conseguinte, são prefigurados por Ester nesta fase do drama. As sete empregadas domésticas dadas a Ester correspondem à administração prevista e preparada para ser consagrada por "sete estrelas" ou anjos no tribunal de Jesus Cristo que frequentam o templo. "Seus anjos sempre veem a face de meu Pai que está nos céus" (Mateus 18: 10.) Depois que o Espírito Santo como um advogado ou Paráclito deixou de operar em nome da consagrada, então os anjos são empregadosem nome daqueles que estão sendo feitos pronto para o reino."Para ele aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos," - Sal 91: 11. (Vide A Sentinela de 1930, páginas 163, 179.)”. Fonte: Preservação (1932), p. 51, 52.

Foi na primavera de 1918 que o Senhor Jesus, como o representante de Jeová apareceu no templo, e daquele momento em diante a glória do Senhor foi lá. "E eu ouvi sua voz à mim falando fora da casa, e um homem ficou ao meu lado." ([Ezequiel] 43: 6) Quando Ezequiel ouviu o Senhor falar-lhe o homem parou junto a ele. "O homem" foi o mensageiro celestial, e isso as figuras de mensageiros celestes ou anjos do Senhor agora usados pelo Senhor em favor do remanescente. Esses anjos são invisíveis aos olhos humanos e estão ali para cumprir as ordens do Senhor. Sem dúvida, eles primeiro ouvem a instrução que o Senhor dirige ao seu restante e depois estes mensageiros invisíveis passam tal instrução para o restante. Os fatos mostram que os anjos do Senhor com ele no seu templo têm prestado assim serviço ao restante desde 1919. O Senhor desde o seu santo templo fala: "Ouvi, vós todos os povos; presta atenção, ó terra, e tudo o que neles há, e deixar que o Senhor Deus seja testemunha contra vós, o Senhor desde o seu santo templo". (Miqueias 1: 2) O remanescente fiel em 1922 começou a ouvir e a responder: "Depois disto ouvi a voz do Senhor, dizendo: a quem enviarei, e quem há de ir por nós, Então eu disse: Eis-me aqui; envie-me. E ele disse: Vai e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis "- Isa. 6: 8, 9.” Fonte: Vindicação, livro I (1932), p. 250.


Se alguém aprecia a organização capital de Jeová, então ele deve ter em mente em todas as vezes que Jesus Cristo é a cabeça dessa organização e é sempre a cabeça que dirige as operações do corpo. Ele afirmou que, quando ele apareceu para o julgamento, ele seria acompanhado por seus anjos, que os anjos realizam suas ordens. Sem dúvida, esses anjos são delegadas pelo Senhor para transmitir suas instruções para os membros da sua organização na terra. Apenas não é necessário entendermos como isso é feito. Acreditando que Cristo Jesus está dirigindo o trabalho na terra, então devemos concluir que os visíveis colocados em determinadas posições na organização de Deus estão lá por sua vontade e devem prestar contas a ele; caso contrário, eles seriam removidos. Na totalidade da organização está Jeová; e como Jeová e Jesus Cristo são um, assim também deve toda a organização ser uma. Jeová respondeu a oração de Cristo Jesus e fez um todos aqueles [que] são de sua organização. Essas coisas são verdadeiras, então se alguém na organização recebe instruções, e essas instruções vêm através do local designado para dar instruções, então as instruções devem ser obedecidas como ao Senhor” - Fonte: A Sentinela 1º de dezembro de 1933, p. 364.


Zacarias perguntou ao Senhor o significado desses homens em cavalos, e o anjo, falando com ele explicou-lhe: "Então eu disse: Senhor meu, quem são estes? E o anjo que falava comigo, disse-me: Eu te mostrarei o que é isto. "(1: 9) Esta questão é proposta para o benefício daqueles fiéis do atual remanescente na terra, e o anjo do Senhor lhes traz as informações necessárias em resposta a suas perguntas. (Apocalipse 1: 1) Esta é a prova de que a interpretação da profecia não procede do homem, mas que o Senhor Jesus, o único chefe na organização de Jeová, envia a informação necessária ao seu povo através de seus santos anjos. "O homem que estava parado entre as murtas, disse: Estes são os que o Senhor tem enviado para andarem pela terra." ([Zacarias] 1: 10) Na visão estes representam o exército de Jeová, que ele usa para expressar sua ira contra o inimigo. (Rev. 14: 20) Com esta tropa, as testemunhas de Jeová na terra são devidamente associadas [ao tipo profético].” Fonte: Preparação (1933), p. 27, 28.


Alguns deveres e interesses do Reino têm sido [comissionados] pelo Senhor aos seus anjos, que incluem a transmissão de informações para o povo ungido de Deus na terra para sua ajuda e conforto. Mesmo que nós não podemos compreender como os anjos transmitem esta informação, sabemos que eles fazem isso; e as Escrituras e os fatos mostram que isso é feito. (Mt 25:31; Judas 14, 15; Zac. 14: 5) Esta conclusão é totalmente suportado pelas seguintes palavras da profecia de Zacarias: "E eis que o anjo que falava saiu para fora, e um outro anjo foi-lhe ao encontro, e disse-lhe: Corre, fala a este mancebo, dizendo: Jerusalém será habitada como as aldeias sem muros, pela multidão dos homens e dos animais deles".” Fonte: Preparação (1933), p. 36, 37.


Esclarecimento procede de Jeová e por meio de Cristo Jesus e é dada aos fiéis ungidos na Terra no templo, e traz uma grande paz e consolo para eles. Novamente Zacarias falou com o anjo do Senhor, o que mostra que o restante são instruídos pelos anjos do Senhor o restante não ouve sons audíveis, porque tal [meio] não é necessário. Jeová providenciou sua própria boa maneira de transmitir pensamentos para as mentes dos seus ungidos. Para todos do lado de fora da organização de Jeová ela é uma organização secreta.” Fonte: Preparação (1933), p. 64.


Na passagem [de Ezequiel 21:19-23], é digno de nota que, se Jeová empregaria o seu poder através de seus anjos para colocar na mente de um pagão a conclusão de agir de uma determinada maneira, então certamente Jeová empregaria o seu poder através de seus anjos para colocar nas mentes de seus servos para tomarem o curso que eles deveriam tomar. Deus está dirigindo a caminho de seu povo, e que em todos os seus caminhos, reconhecem Ele. - Prov. 3: 5, 6”. Fonte: A Sentinela 1º de novembro de 1937, p. 326, § 14.


Enquanto Jeová está sentado em seu trono um dos seus anjos poderosos aparece e com grande voz pergunta: "Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos" (Vs. 2) Não é de todo necessário entender que o anjo aqui mencionado é alguma agência humana, ou mesmo uma personificação do que havia sido escrito na lei de Deus através de Moisés. Certamente os santos anjos de Jeová Deus, que estão sob o comando de Cristo Jesus acompanhando-o em seu templo como seus adjuntos, são revestidos de poder para colocar questões nas mentes das pessoas que são dedicados a Deus na Terra. Não é necessário saber exatamente como isso é feito, mas não pode haver qualquer dúvida sobre o poder dos adjuntos do Senhor. Mesmo os homens podem sugerir pensamentos a outros homens por condições ou circunstâncias. Certamente os adjuntos do Senhor têm muito mais poder. Muitos da igreja, particularmente aqueles retratados na condição da igreja em Laodiceia, conforme descrito no capítulo três, versículos 14 a 19, olharam para o que eles chamavam de “o sétimo mensageiro”, acreditando que ele era um homem, para interpretar a profecia, particularmente a profecia de Ezequiel e de Revelação; e quando esta não se concretizou, muitos deles disseram: "Ninguém pode tornar claro o significado, porque o Senhor tinha dado toda a sua verdade ao seu povo antes de 1917 (isto é, antes da morte de Russell). Em seguida, tornou-se um [expressivo] número dos ofendidos com a maneira do Senhor de fazer seu trabalho e eles caíram. Fonte: A Sentinela 15 de maio de 1938, p. 157.



Os “anjos”! Isto mesmo, os “anjos” transmitiam de alguma maneira telepática as “verdades sagradas” para os ungidos na terra. Isto esbarra no que o apóstolo Paulo havia dito sobre isto: “No entanto, mesmo que um de nós ou um anjo do céu lhes declare como boas novas algo além das boas novas que lhes declaramos, que ele seja amaldiçoado.” (Gálatas 1:8) Muito do que se ensinava naquela época pela Torre de Vigia e de onde deriva as atuais crenças do movimento, são além de “boas novas” diferente daquilo dito na Bíblia Sagrada, foram entregues de alguma forma por anjos. Isto, no mínimo, dá o que pensar para uma testemunha, estudante da bíblia ou qualquer pessoa sincera, pois, não conseguiriam defensar estas doutrinas de anjos, 1874 (ou 1914) e a escolha do escravo fiel e prudente em 1919 simplesmente com a Bíblia. Isto não seriam “boas novas” diferentes ou ir além das coisas que estão escritas? - 1 Coríntios 4:6.

É estranho de notar também fases sobre a maneira de anjos transmitirem ensino: “apenas não é necessário entendermos como isso é feito” e “mesmo que nós não podemos compreender como os anjos transmitem esta informação”. O fato de não ser necessário o compreender como era feita tal transmissão, era porquê não se queria que questionassem como era feito? Será que não se queria que isto fosse compreendido pelas testemunhas? Subjetivamente não queriam estas frases sugestionar que não devessem questionar ou compreender os métodos?


Uma embaraçosa “herança espiritual”

É difícil compreender como o recém-escolhido escravo fiel e prudente poderia ignorar instruções tão primarias fornecidas na Bíblia que o espírito santo permaneceria para sempre e que algo que viesse de anjos diferente das boas novas explicitadas na própria Bíblia não deveriam ter qualquer consideração. Ao que tudo indica, eles se apercebiam o quanto era delicado ensinar algo assim e das muitas críticas que recebiam de grupos dissidentes da Torre de Vigia e dos clérigos no geral, veja:

No devido tempo de Deus e por sua graça chamou atenção ao fato de que a nação e o reino nasceu; que tinha havido guerra no céu e Satanás havia sido expulso; que o Senhor havia comissionado o seu povo [qual] uma testemunha; que o Senhor virá ao seu templo para julgamento; que o manto da justiça é fornecido para o seu povo e é prova de que Deus tem tirado um povo para o seu nome e os aprovou, e que agora um grande testemunho deve ser dado a manifestar seus louvores. O Senhor [tem] usado a Torre de Vigia para anunciar estas verdades. Sem dúvida, ele usa seus ministros invisíveis e [eles] têm muito a ver com isso. Isto não é o que alguns podem de alguma forma considerar como o espiritismo; mas isso não significa que Deus em sua própria boa maneira pode direcionar o seu povo, sem qualquer comunicação audível com eles. Aqueles que têm visto e apreciado estas grandes verdades do Senhor têm se alegrado, enquanto que aqueles que não tem percebido a diferença entre o trabalho de Elias e Eliseu da igreja, e as outras verdades abençoadas reveladas em conexão com os mesmos, continuam a queixar-se, e muitos têm inteiramente desaparecido nas trevas exteriores. O fiel não chora, mas se alegra.” Fonte: Luz, livro I (1930), p. 64.

A questão foi insensatamente proposta: "Será que A Sentinela serve como um meio de instrução para os anjos?" Certamente não. Sem dúvida que o Senhor usa seus anjos para fazer com que a verdade seja publicada em A Sentinela, os fiéis seguidores de Jesus Cristo que ouvir e atender à mensagem da verdade do Senhor e prestar obediência ao mesmo são, portanto, um espetáculo ou teatro para outros, tanto homens como anjos, que observam que esses fiéis estão mantendo sua integridade para com Deus. (1 Coríntios 4: 9.) Isto não significa que as testemunhas de Jeová na Terra são ensinadas por anjos, mas certamente os anjos velaria com prazer os homens da terra que estão mantendo sua integridade perante Jeová e provando, assim, que Satanás é um mentiroso. Certamente Deus guia seu povo da aliança usando os santos anjos para transmitir a sua mensagem para eles: "Eu vou te instruir, e te ensinarei o caminho que deves seguir; Eu te guiarei com os meus olhos" (Sl 32: S). "O anjo do Senhor acampam-se redor dos que o temem, e ajuda-os" - Sal 34: 7” - Fonte: A Sentinela 1º de fevereiro de 1935, p. 41, § 32.

É esta “herança espiritual” elaborada com métodos espíritas e mediúnicos? Segundo o número de A Sentinela de 1º de fevereiro de 1935 seria uma “insensata” pergunta a se fazer. Porém a resposta para esta “insensata” pergunta é dúbia: não são um canal para ensinos de anjos, mas, os anjos transmitiam os ensinamentos aos ungidos na terra. Isto não representa de todo o modo a mesma coisa?


Uma “herança espiritual” pela necromancia!

É interessante notar o que diz o livro Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus (1993) ao explicar como a organização é atualmente dirigida:

Aqueles que compõem a única genuína organização cristã hoje nãorecebem revelações angélicas nem inspiração divina. Mas contam com as inspiradas Escrituras Sagradas, que contêm revelações dos pensamentos e da vontade de Deus.” Fonte: Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus cap. 31 p. 708. Mas, um recente e muito conhecido livro intitulado Revelação - Seu Grandioso Clímax Está Próximo sugere algo pior que receber revelações de anjos:

Desde o tempo do apóstolo João, e até o dia do Senhor, cristãos ungidos ficaram curiosos quanto à identidade da grande multidão. Portanto, é apropriado que um dos 24 anciãos, representando os ungidos já no céu, estimule o raciocínio de João por fazer uma pergunta pertinente: “E, em resposta, um dos anciãos me disse: ‘Quem são estes que trajam compridas vestes brancas e donde vieram?’ Eu lhe disse assim imediatamente: ‘Meu senhor, és tu quem sabes.’” (Revelação 7:13, 14a) Sim, este ancião podia achar a resposta e dá-la a João. Isto sugere que os ressuscitados do grupo dos 24 anciãos talvez estejam envolvidos em transmitir verdades divinas hoje em dia. Os da classe de João, na Terra, da sua parte, ficaram sabendo da identidade da grande multidão por observarem de perto o que Jeová realizava no meio dela. Chegaram a reconhecer prontamente os brilhantes lampejos de luz divina, que adornaram com cores brilhantes o firmamento teocrático em 1935, no tempo devido de Jeová”. Fonte: Revelação - Seu Grandioso Clímax Está Próximo cap. 20 p. 125, § 17.

Receber mensagens de um falecido, e neste caso um integrante dos 24 anciãos supostamente hoje vivo no céu, é praticar necromancia. O único caso de consulta a um “morto” na Bíblia é à Samuel, que Saul fez por meio de uma médium. A isto não acredito ser necessário fazer comentários adicionais, o que está escrito na publicação deu o seu próprio testemunho.



Concluo fazendo algumas perguntas para séria reflexão:


1.: Se naquela época não houve orientação do espírito de Deus e recebiam as informações de agentes invisíveis, quem foram estes agentes ou anjos?

2.: Em conformidade com João 14: 16, 26, e Gálatas 1:8 foram agentes invisíveis de Deus que transmitiram as verdades das quais derivam as crenças atuais do movimento? Ou com base nestes textos seriam anjos de outra ordem, a saber, de demônios? 
 
3.: Com base no que foi publicado pode a organização Torre de Vigia ser de Deus?


Atenção! Poderá replicar a informação em seu site, blog ou qualquer outra mídia sem qualquer restrição, desde que você cite adequadamente que O Zigurate é sua fonte da informação.


Notas:

( * ) Segundo o Anuário das Testemunhas de Jeová de 1997 p. 127 em 1923, foi aberta no Rio de Janeiro uma congênere da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (dos EUA), para a distribuição de suas publicações no Brasil.

( ** ) Acreditava-se que Cristo retornou invisivelmente em 1874, e não em 1914 como se ensina atualmente. Poderá encontrar esta informação em A Aurora do Milênio — O Tempo Está Próximo (1889, em inglês), p. 76-78; e A Harpa de Deus (1921, em inglês) p. 236, § 410.

( *** ) Esta não é a tradução oficial para o português deste e das demais citações dos artigos, tendo em vista que não há exemplar disponível destes números de A Sentinela e dos livros em português, a menos que haja outra indicação, ela representa literalmente as informações apresentadas nos artigos em inglês.

Postagens mais visitadas deste blog

Jesus Recebia Mais do Que uma Simples Reverência...

O Relato da Criação e a Ciência – Compatíveis?

Editorial - Abril de 2016